TRF Acata Provas Contra Lula e o Condena a 12 Anos de Prisão

Por 3 votos a zero, o TRF da 4ª Região condenou hoje (24.01.2018) o ex-presidente Lula a 12 anos de prisão, por corrupção e lavagem de dinheiro.

Conforme a decisão dos desembargadores, após esgotadas as possibilidades de recurso no tribunal, Lula terá sua prisão decretada.

As provas contra Lula foram aceitas como verídicas e confirmatórias dos crimes praticados, tanto documentais quanto testemunhais.

Segundo a denúncia, Lula recebeu da Construtora OAS um apartamento triplex no litoral de São Paulo como propina para favorecer a empresa em contratos com a Petrobras.

“(O esquema de corrupção) fragilizou não apenas o funcionamento da Petrobras, mas  também colocou em xeque o próprio regime democrático, por afetar o sistema eleitoral”, disse o relator do processo, desembargador Gebran Neto.

Entre as provas citadas pelo desembargador, está o papel de Lula na nomeação de diretores da Petrobras e o teor do depoimento de políticos e ex-funcionários da estatal. Testemunhas presenciaram visitas de Marisa Letícia e de Lula ao tríplex pago pela OAS, inclusive durante as obras de reforma do apartamento.

Em janeiro de 2014, Marisa Letícia (falecida esposa de Lula), teria pedido modificações no projeto de reforma do apartamento, conforme testemunho de Leo Pinheiro (ex-executivo da OAS).

Segundo o desembargador, “o conjunto dos elementos probatórios diretos e indiretos” levam à conclusão “acima de dúvida razoável” de que houve o cometimento de crime de corrupção passiva e lavagem de dinheiro por parte de Lula.

Outro desembargador, Paulsen, destacou que “a operação Lava Jato desbaratou organização criminosa montada durante o governo petista, mas se dirigiu a tantos quantos participaram do esquema de propina. Diversos outros pertenciam a partidos como PMDB e PP.”

O terceiro desembargador a votar, Victor Laus, destacou que a acusação do Ministério Público se baseou tanto em provas documentais quanto no depoimento de testemunhas – em sua maioria convergentes.